• Home
  • Críticas
  • The Big Door Prize: o prémio que só chega no final
The Big Door Prize: o prémio que só chega no final
André Fonseca

The Big Door Prize: o prémio que só chega no final

Não é, sem dúvida, o serviço de streaming com mais conteúdo. Ainda assim, a Apple continua a surpreender todos com apostas de elevada qualidade, sendo já classificada como a HBO da era do streaming.

Com sucessos em diferentes géneros, tem sido sobretudo na comédia que a Apple TV+ se destaca. O grande cabeça de cartaz Ted Lasso é acompanhado de outras produções como The After Party ou Loot e desde março por The Big Door Prize.

A expetativa para esta série era alta e de certa forma não desiludiu, mas já lá vamos. Em The Big Door Prize, uma pequena cidade muda para sempre após o aparecimento de uma misteriosa máquina que promete revelar o potencial de cada pessoa que a utilizar.

Numa questão de dias, os moradores começam a mudar por completo as suas vidas, incluindo trocar de emprego, questionar crenças antigas ou até repensar os relacionamentos: tudo com o objetivo de atingirem o potencial.

Apesar da história se focar em diferentes habitantes com cada episódio dedicado a uma personagem diferente, a série dá especial destaque a Dusty, um professor de História aparentemente feliz. Dusty está casado com Cass, com quem tem uma filha chamada Trina. E, até aqui tudo bem.

O problema acontece quando os três decidem, cada um sozinho, ver qual é o seu potencial. Os potenciais são bastante diferentes e o que até aqui era uma família relativamente feliz passa a ser bem diferente.

Eles passam a questionar tudo e as suas decisões a partir de aqui afetam diretamente os outros habitantes desta pequena cidade, aparentemente sem problemas.

A máquina Morpho é o grande mistério da série, mas não é a protagonista. As diferentes personagens e os seus respetivos problemas são o principal forte de The Big Door Prize. Izzy, a mãe de Cass e mayor da cidade, e Giorgio, o dono do maior restaurante da cidade, acrescentam uma profundidade diferente e necessária à série.

Com dez episódios de cerca de 30/40 minutos cada, a série tem vários altos e baixos. Há episódios claramente melhores que os outros, mas o que The Big Door Prize faz bem é manter o espetador sempre à espera do próximo acontecimento.

Como é que a máquina foi lá parar? O que significam alguns dos potenciais? São algumas das perguntas que fazemos durante a temporada. In(feliz)mente não temos ainda todas as respostas.

Os últimos segundos do décimo episódio mostram que não é só a máquina que tem potencial. A série tem potencial para continuar a surpreender e por isso mesmo é que sabemos que vai haver uma segunda temporada.

Nota: 7/10
The Big Door Prize (29 de março de 2023)
Duração: 1ª temporada com dez episódios
Realização: Todd Biermann, Jenée LaMarque, Declan Lowney, Molly McGlynn e Anu Valia
Argumento: Amanda Rosenberg, M.O. Walsh e David West Read
Elenco: Chris O'Dowd, Gabrielle Dennis, Sammy Fourlas, Djouliet Amara, Patrick Kerr, Josh Segarra e Elizabeth Hunter

André Fonseca profile image André Fonseca
Publicado a
Críticas